Como registrar um filho adotivo?

Estamos vivendo em um mundo em que existem muitos filhos abandonados por pais e adotados por outros que fazem de tudo para criar como se fosse seus.

Algumas dessas crianças já se sentem mais felizes ao lado desses pais que adotaram e deram o amor e tudo que os pais biológicos talvez não deram, seja por falta de condição, cuidado ou por não sentir amor verdadeiro pelos próprios filhos.

Essa realidade de filhos adotivos é normal hoje no país e com a lei, pode ficar até mais fácil para aqueles que adotaram os filhos, registrar no cartório como se fosse seus.

Registrar filho de outrem como seu pode ser comum para muitas pessoas hoje em dia, isso porque aqueles que já tem filhos e os que não podem ter fazem de tudo para ter ao seu lado um filho adotivo, seja para ajudar por os pais que abandonaram não ter condições ou por amor mesmo, já que muitos que criam filhos adotivos consideram como se fosse seus mesmo.

O homem que pretende registrar como seu um filho não biológico, com quem já convive de forma afetuosa, já pode fazê-lo diretamente nos cartórios de registro civil do estado.

Conhecido como pai socioafetivo, antigamente essa pessoa precisava enfrentar um processo na Justiça que poderia durar no mínimo um ano para garantir o direito de preencher a lacuna deixada pelo pai biológico na certidão de nascimento. A simplificação no processo se deve à publicação do provimento n° 009/2013.

Esse benefício só é válido para aqueles filhos que não têm o nome do pai biológico no registro.

Como adotar um filho?
Para os pais que desejam adotar criança, a primeira coisa a fazer é se cadastrar, procurar um Juizado da Infância e da Juventude mais perto de sua casa para realizar um Cadastro de Pretendentes para Adoção.
Em seguida, escolher o perfil da criança, passar por uma entrevista, conseguir o certificado de habilitação, mudar caso não consiga o certificado, entrar na fila de adoção e aguardar a criança.

Como é feita a certidão de nascimento de filho adotivo?
O registro original do adotado deve ser cancelado, para constar, na nova certidão de nascimento, os dados dos pais adotantes, sem qualquer referência à adoção.

Veja também a nova regra simplifica de registro de bebês gerados por barriga de aluguel
De acordo com as informações, a partir das novas regras existentes, os casais que geraram bebês com uso de material genético doado, com ou sem barriga de aluguel, não terão de recorrer à Justiça para registrá-los com a filiação correta. As informações revelam que se os pais forem casados ou viverem em união estável, basta que um deles vá ao cartório e registre o bebê.

Toda essa facilidade ficou garantida graças a essas novas regras.

Se ainda tiver dúvidas sobre o assunto, procure conversar com um oficial, advogado ou demais pessoas que entendem do caso ou que já passaram por isso e souberam resolver e alcançar os objetivos. Se tudo que você deseja alcançar for para o bem da criança e estiver de acordo a lei, pode dar certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *